Notícias & Negócios >
Tendências tecnológicas para a construção civil em 2021

Publicado em: 13/11/2020

Confira!

Tendências Tecnológicas Construção Civil 2021

 

Quer uma boa notícia para o setor da construção civil em 2021? 

De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), o PIB desse setor crescerá em torno de 3%. 


Quer outra boa notícia na mesma área?

 

Crescimento de 3,4% na América Latina para o próximo ano segundo estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI). 2020 foi um ano atípico, com muitos desafios a serem enfrentados e que exigiu competitividade e resiliência das companhias, porém diante de cenários positivos para o próximo ano, empresas ligadas ao segmento da construção civil se preparam para fazer parte desse cenário azul, aproveitando oportunidades e saindo na frente. 


Eduardo Aguiar, da Expert System, empresa com 33 anos de atuação no mercado da construção civil, vai além da análise de números e acrescenta que “estar preparado para agarrar as oportunidades será quase que vital. Tecnologia e inovação já deveriam estar incorporadas no dia a dia de nossos processos, do projeto ao canteiro de obra, às soluções de interface com o morador/usuário das edificações. Não podemos mais nos conformar com estudos que apontam a construção civil como um dos setores menos digitais da economia global”, destaca.


O estudo referido por Aguiar é o Imagining Construction’s Digital Future, da consultoria de gestão McKinsey & Company. Esse material aponta algumas ferramentas que não são realidade apenas fora do Brasil. Estão presentes por aqui e cada vez mais enraizadas em processos. 


Entre as principais consideradas quase que obrigatórias em 2021 estão: 

- Building Information Model (BIM): da sigla Modelagem da Informação da Construção, possibilita a criação e gestão de projetos de construção civil, do início ao fim. O processo de modelagem em 3D permite planejamentos e execuções de obra mais precisos, gerindo gastos de tempo e orçamento.

No Brasil, o BIM passa a ser obrigatório; 

- ERPs: os sistemas integrados de gestão empresarial proporcionam a administração de informações, partindo da coleta até o armazenamento de dados. Permite que todos os dados de uma empresa estejam centralizados e os processos conectados, agilizando o fluxo de informações. “O ERP é uma ferramenta que já está inserida entre as necessidades de gestão de empresas da construção civil. O passo atual é o conceito de ERP pós-moderno, que tenha a mesma linguagem das demais ferramentas de negócios para que haja integração”, explica Aguiar; 

- Cidades inteligentes: apesar do alto custo relacionado, cidades com construções verdes e soluções ambientais sustentáveis para energia e transporte estão entre os tópicos de inovação em 2021. Os softwares inteligentes permitem desenvolvimento de infraestrutura conectada, além de otimização das operações; 

- Impressora 3D: permite a impressão de vigas, paredes e pilares através de cartuchos de cimento. Essas impressoras têm um tamanho imenso (chegando a ser necessário guindaste para o transporte) e permitem a divisão em várias camadas do que será impresso. Uma das grandes vantagens dessa impressora é a liberdade na criação de projetos, que podem ser personalizados e inovadores; 

- Tecnologias digitais: uso de alternativas como robôs e peças mecânicas para dar maior eficiência, precisão e qualidade nos processos. Um bom exemplo que cada vez é mais empregado são os drones. Eles auxiliam na inspeção de áreas de difícil acesso ou perigosas para exploração humana; 

- Internet das Coisas: a interconexão digital de objetos como calças, EPIs e demais equipamentos permite rastrear o funcionário na obra e identificar situações de falta de segurança ou até de perigo através, por exemplo, de equipamentos com GPS integrado. 

Independentemente da necessidade, algo já foi pensado ou está prestes a ser lançado. A tecnologia na construção civil evoluiu a passos largos. Controle de custos, compra de recursos, gestão de equipe e fluxo de informações, projeções exatas e impressões 3D são alguns dos exemplos. Mas será que tudo isso um dia fará sentido? Já faz! O que não cabe é a crença de que apenas os maiores são o foco dessas inovações.  

 

Fonte: Oficina das Palavras

Publicidade